Bio

Alexandre De Maio faz jornalismo em quadrinhos influenciado pela cultura hip hop e comprometido com temas sociais.

Nascido em 1978, em São Paulo, Brasil, a cultura de rua foi fator determinante para a sua carreira.

Aos 21 anos, em 1999, começou no jornalismo lançando a revista Rap Brasil. Seguiu editando e produzindo revistas para o público jovem por 10 anos.

Em 2006 lançou sua primeira história em quadrinhos “Os inimigos não mandam flores (Ed. Pixel)” com textos do escritor Ferréz.

A partir de 2010 passou a desenvolver o jornalismo em quadrinhos em veículos como o site Catraca Livre e a revista Fórum, trabalhando com temas sociais.

Junto com a Agência Pública produziu diversas matérias em quadrinhos, em 2013 e ganhou o Prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo com a reportagem “Meninas em jogo”, que abordava a exploração sexual infantil em Fortaleza.

No mesmo ano publicou o livro em quadrinhos “Desterro” sobre a vida no Capão Redondo, periferia da zona sul de São Paulo.

Em 2014 a reportagem em quadrinhos sobre a copa do mundo foi publica na revista francesa Courrier Internacional. No mesmo período produziu jornalismo em quadrinhos para a Folha de S. Paulo, Greenpeace, revista Placar, jornal Estado de S. Paulo e foi finalista do Prêmio Abril de Jornalismo em duas categorias.

Em 2015 produziu quadrinhos especiais sobre as olimpíadas para a revista Veja e desenvolveu o projeto de fact-checking "Truco no Congresso" para a Agência Pública e foi finalista em 3 categorias no "Prêmio Gabriel Gárcia Marquéz" de Jornalismo. Ainda no mesmo ano publicou na revista Playboy e saiu a edição francesa do livro em quadrinhos “Desterro” com título Favela Chaos.

Em 2016 Ilustrou para o livro Génération Favela para editora francesa Ateliers Henry Dougier e publicou a reportagem no livro Jesuis Rio para editora francesa Anacaona.


Back to Top